domingo, 16 de junho de 2024
Facebook Instagram Twitter Youtube TikTok E-mail
48 3191-0403
Geral
26/05/2024 11h51

Como conter enchentes no Brasil, segundo criador das 'cidades-esponja': 'Barragens estão fadadas ao fracasso'

Para Kongjian Yu, a resposta está em parar de 'lutar contra a água' e investir em soluções duradouras e baseadas na natureza
Como conter enchentes no Brasil, segundo criador das 'cidades-esponja': 'Barragens estão fadadas ao fracasso'

Eventos extremos como as recentes chuvas e inundações no Rio Grande do Sul estão se tornando mais frequentes e intensos, dizem cientistas. Mas o que as cidades podem fazer para se proteger?

 

O arquiteto chinês Kongjian Yu, criador do conceito de cidades-esponja, sugere parar de "lutar contra a água" e investir em soluções naturais e sustentáveis. Segundo ele, grandes barragens e diques não são eficazes a longo prazo. 

PUBLICIDADE

Yu defende a criação de infraestruturas verdes que imitam o ciclo natural da água, permitindo que ela seja absorvida pelo solo, retida e liberada lentamente. Esse conceito já foi aplicado em várias cidades da China, Tailândia, Indonésia e Rússia, e pode ser adotado em qualquer lugar, inclusive no Brasil.

A estratégia das cidades-esponja envolve três princípios principais:

1. **Retenção de Água**: Criar áreas permeáveis, como lagos artificiais e açudes, e usar telhados e fachadas verdes para absorver a chuva.
2. **Desaceleração do Fluxo de Água**: Utilizar rios sinuosos com vegetação para reduzir a velocidade da água, criando áreas verdes e habitats naturais.
3. **Áreas Alagáveis**: Desenvolver zonas onde a água possa escorrer sem causar danos, com estruturas naturais que a contenham temporariamente.

Além de prevenir enchentes, esse modelo pode ser útil durante secas, armazenando água para irrigação e manutenção de áreas verdes. Yu ressalta que as cidades-esponja são uma resposta eficiente e sustentável às mudanças climáticas.

O conceito foi oficialmente adotado na China em 2015, com o "Programa Cidade-Esponja", que incentivou a criação de parques e infraestrutura verde para controlar a água. Exemplos incluem o Houtan Park em Xangai e o Parque Florestal Benjakitti em Bangkok.

 

Apesar de alguns desafios na implementação, Yu acredita que as cidades-esponja, combinadas com outras medidas de contenção, podem oferecer uma solução duradoura e adaptável para as inundações.

PUBLICIDADE

Ele também incentiva a população a transformar seus jardins e telhados em esponjas, ajudando a absorver a água da chuva e mitigando as consequências das tempestades cada vez mais intensas.


HC Notícias
48 3191-0403
48 9 8806-3734
Rua Altamiro Guimarães, 50
88701-300 - Centro - Tubarão/SC
Hora Certa Notícias © 2019. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.