segunda, 27 de maio de 2024
Facebook Instagram Twitter Youtube TikTok E-mail
48 3191-0403
Geral
20/04/2024 18h49

Em SC: criança é picada 'acidentalmente' com agulha em UPA e mãe relata medo de contaminação

MPSC instaurou notícia de fato para apurar o caso; menina passou por exames e e está sendo medicada
Em SC: criança é picada 'acidentalmente' com agulha em UPA  e mãe relata medo de contaminação

Com informações de G1 SC

Uma menina de 8 anos precisou receber um coquetel de medicamentos e fazer testes de doenças sexualmente transmissíveis após ser picada por uma agulha enquanto atravessava o corredor de um pronto atendimento de Barra Velha, no Litoral de Santa Catarina, relatou a mãe da criança, Silvana Auda. A prefeitura trata o caso como acidental.

 

A mulher conta que estava de mãos dadas com a filha, que a acompanhava para fazer um exame, na noite de quarta-feira (17), quando uma profissional da sala de medicação, segurando duas seringas, esbarrou na filha dela.

 

O Ministério Público de Santa Catarina informou, nesta sexta-feira (19), que instaurou uma notícia de fato para apurar o caso. O órgão solicitou informações e providências à Secretaria de Saúde do município, e o procedimento corre em sigilo.

 

"Ela virou na hora que eu estava passando com minha filha. E, quando ela virou, não sei se ela se desequilibrou, eu sei que ela enfiou a agulha no ombro da minha filha. Ela falou 'desculpa', porque foi muito rápido e voltou pra sala de enfermagem", conta.

 

Silvana acredita que a seringa estava usada. Ela registrou boletim de ocorrência, e a criança passou por exame de corpo delito. 

 

PUBLICIDADE

"Eu estou aqui só rezando, pedido para Deus que não aconteça nada com minha filha. Rezando e pedindo para Deus que passem logo esses dias, porque não é fácil para mim. Só de olhar para esse remédio dói em mim", desabafa.

 

Silvana diz que entendeu o que havia acontecido com a filha segundos depois do esbarrão, ao ver a menina com a mão no ombro esquerdo.

 

"Eu perguntei para minha filha o que foi, se estava doendo. Ela falou: 'mãe, a moça colocou a agulha em mim'. Eu peguei e puxei a roupinha e vi que estava tudo respingadinho de sangue. Vi que tinha furado o braço da minha filha. Fiquei muito nervosa. Pensei: Meu Deus, ela furou o braço da minha filha com uma agulha usada", relata.

 

A mãe buscou ajuda e, ainda na unidade, a criança fez testes rápidos de HIV, sífilis e hepatites, todos com resultados negativos, e recebeu prescrição de um coquetel de medicamentos preventivos, que serão administrados por 28 dias.

 

Segundo a mãe, a paciente na qual a seringa suspostamente foi usada também fez um exame para verificar possíveis doenças, mas não soube informar o resultado deles. A prefeitura não confirmou a informação, nem informou o item realmente havia sido utilizado.


O município disse apenas que a criança foi "atendida e submetida ao protocolo determinado pelo Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde, sendo prestado todo o atendimento necessário a menor e a família."

 

A mãe, no entanto, alega que a unidade não tem passado informações detalhadas sobre a situação, e nem se interessou em saber sobre o estado da filha, que "ficou muito assustada".

PUBLICIDADE

"Eu estou muito assustada com a notícia, porque eu não sei o resultado do exame da mulher, não sei quem é a mulher na qual havia sido usada essa seringa, não sei se foi feito o teste na pessoa certa, porque a minha filha, coitada, disse que eram duas seringas que estavam na mão [da profissional]", comentou.


Conforme a paciente, após esbarrar, a profissional pediu desculpas e saiu. Silvana contou que estava na unidade para um exame de raio-x, marcado para as 21h, que seria feito em uma sala no final do corredor onde a menina foi atingida. A criança a acompanhava, pois não tinha com quem ficar.

 

"Bem mais tarde, quando eu estava esperando o médico da minha filha, ela veio falar comigo e disse que foi um acidente, e que eu não deveria estar com criança lá. Expliquei para ela que não tinha com quem deixar minha filha. Tinham muitos pacientes no corredor, mas não estava apertado a ponto de passar esbarrando nas pessoas, nós estávamos caminhando normal", relatou. O nome da profissional não foi divulgado.


HC Notícias
48 3191-0403
48 9 8806-3734
Rua Altamiro Guimarães, 50
88701-300 - Centro - Tubarão/SC
Hora Certa Notícias © 2019. Todos os direitos reservados. Política de Privacidade

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.